O “Clube de Fado”…
No seu País, na sua Cidade, na sua Casa!

 

“Mário Pacheco – Clube de Fado”

Toda a magia do Fado na música de Mário Pacheco.
Instrumentais de Guitarra Portuguesa e Fados, com a verdade e atmosfera intimista do “Clube de Fado”…
no seu País, na sua Cidade, na sua Casa!

“PRÉMIO AMÁLIA RODRIGUES”

MELHOR COMPOSITOR DE FADO

CONDECORAÇÕES

Câmara Municipal de Lisboa:
Medalha Municipal de Mérito
Grau Ouro

Comenda da Ordem
do Infante D. Henrique

CONTACTO PARA CONCERTOS

mpacheco.fado@gmail.com

MÁRIO PACHECO

A guitarra e a composição musical de Mário Pacheco segura e envolvente não é um acaso. Reflecte dedicação, empenho e carinho especial pela arte musical e em particular pelo fado, alicerçados numa tradição familiar.

Filho do guitarrista António Pacheco que acompanhou alguns dos maiores fadistas, cedo Mário Pacheco vai desvendando mistérios do trinar da guitarra e dos caminhos melódicos da composição fadista. Esta aprendizagem nata será intensificada e ampliada no estudo do solfejo e da guitarra clássica na Academia de Música de Lisboa. Todavia, é a guitarra portuguesa que o prende, o instrumento que, como afirma, “mais expressivamente define o fado”. Estuda afincadamente os grandes guitarristas: Armandinho, Artur Paredes, Carlos Paredes, Pedro Caldeira Cabral e Fontes Rocha.

Estão lançadas as bases que lhe permitem ir construindo o seu estilo próprio quer como executante, acompanhando grandes vozes como Amália Rodrigues, Alfredo Marceneiro, Hermínia Silva, Tristão da Silva ou Max, nomes que seu pai também acompanhara, quer mais tarde como compositor.

Com o embalo musical que tinha foi inevitável que surgisse essa vontade e a inspiração para compor no entendimento pleno das formas e harmonias fadistas.
Carloz Zel, Paulo de Carvalho, Ana Sofia Varela, Rodrigo Costa Félix, Mísia, Joana Amendoeira, Camané, Cuca Roseta, Carminho, Mariza e Amália, cantam melodias suas.

Em 1992 é editado o seu primeiro álbum, “Um outro olhar” que procura traduzir como a música de Mário Pacheco reflecte uma outra visão da nostalgia e de como a saudade e a tristeza se cruzam, harmoniosamente, abrindo-se a outras linguagens musicais, pois também o fado é reflexo e súmula de várias outras melopeias. A este álbum que marcou a história musical portuguesa seguiram-se “Guitarras do fado”, “Cantar Amália” e “Guitarra portuguesa”.

A guitarra portuguesa, a composição e os ambientes fadistas continuam a inspirá-lo, norteiam-lhe a vida.

Mário Pacheco tinha entretanto encontrado na histórica Alfama, junto à secular Sé Catedral de Lisboa, um local onde cria um espaço de referência do fado e também de criação artística. Chama-lhe “Clube de Fado”.
Na realidade é um clube enquanto espaço de convívio, de tertúlia e troca de ideias em ambiente fadista. Este espaço onde o fado acontece todas a noites faz jus à tradição.
É aí que Mário Pacheco solta amarras e a sua guitarra viaja…

O CD/DVD espelha uma “saída fora de portas” no ambiente aristocrático do Palácio Nacional de Queluz. Neste espectáculo, Mário Pacheco lembra os seus “mestres”: Carlos Paredes e José Fontes Rocha, compondo dois instrumentais em sua homenagem e convida fadistas que interpretam as suas melodias: Camané, Rodrigo Costa Félix, Ana Sofia Varela e Mariza, quatro nomes incontornáveis do fado, assim como os músicos Carlos Manuel Proença (viola), Rodrigo Serrão (contrabaixo), Marta Pereira da Costa (Guitarra Portuguesa) e ainda o quarteto de cordas de Arlindo Silva.
Este é um cenário mágico. Na escadaria Robillion, erigida em 1764, desfilam emoções, sentimentos, imagens de vida, acontece fado pelas palavras dos poetas e na inspirada música e guitarra de Mário Pacheco.

CD + Bónus DVD

CONTACTO PARA CONCERTOS

mpacheco.fado@gmail.com